Produtora independente de energia, a Albioma desenvolve, com uma competência única, suas duas atividades principais: a biomassa térmica, a energia solar e a energia geotérmica

Saiba mais

Número-chave

606

Colaboradores que colocam suas habilidades a serviço do Grupo todos os dias

Saiba mais

Produtora independente de energia, a Albioma desenvolve uma perícia única nas suas dois atividades principais: a Biomassa Térmica, a Energia Solar e a Energia Geotérmica.

Descubra nossas energias

Le saviez-vous ?

Valoriser ses toits permet de lutter contre le rayonnement solaire tout en produisant de l’énergie renouvelable

En savoir plus

Cotada no mercado regulamentado da Euronext em Paris, a Albioma se compromete a colocar à disposição da comunidade financeira uma informação regular, transparente e acessível.

Espaço dos Acionistas
  • Tipo: Usina termelétrica de biomassa
  • Operação desde: 1998
  • Potência instalada: 102 MW
  • Colaboradores: 94

Primeira unidade inaugurada pela Albioma em Guadalupe, a usina termelétrica a biomassa de Moule fornece 21% da energia elétrica disponível no sistema interligado ao valorizar parcialmente recursos locais e renováveis.

Atividades

A unidade de cogeração de Moule faz parte das usinas históricas da Albioma. Entrou em operação em 1998 e possui capacidade instalada de 102 MW. Além de contribuir para a independência energética de Guadalupe, sua atividade, que depende em parte da valorização do bagaço, permite o fomento da indústria local de cana-de-açúcar.

Biomassa e produção de energia

Durante os períodos de safra da cana-de-açúcar, a usina de Moule utiliza o bagaço, um resíduo fibroso da cana, para produzir energia elétrica renovável e vapor de baixa pressão. De acordo com o princípio da economia circular, parte da energia gerada é usada para abastecer a refinaria de açúcar Gardel, sua vizinha, que explora cerca de 1.000 hectares de cana-de-açúcar em Guadalupe.

Em direção a um modelo de 100% de biomassa

Entre 2018 e 2023, a terceira parte da usina de Moule será convertida em biomassa. O abandono do carvão como combustível permitirá a redução das emissões de CO2 em 87% ao aumentar a participação de energias renováveis no mix energético de Guadalupe para cerca de 35%, contra 20,5% em 2017. Um projeto que também atende os objetivos estabelecidos pela lei de transição energética para o crescimento verde nesse território.