Nossa natureza é cheia de energia

Atividades
Biomassa
Térmica

Confiantes em nossa experiência na produção de bioenergia a partir do bagaço, tornamo-nos parceiros privilegiados da indústria sucroenergética.

A alimentação das centrais a bagaço, em troca do abastecimento em vapor e energia elétrica das refinarias, é um modelo perene que constitui um fator decisivo de competitividade para esses industriais. Da mesma forma, o desempenho energético de suas unidades permite a Albioma valorizar sua produção energética junto aos distribuidores de energia elétrica e ajudá-los a enfrentar a alta do consumo de energia.

Instaladas nas proximidades das refinarias de açúcar, nossas centrais térmicas são projetadas para processar a totalidade do bagaço produzido. Com elas, o Grupo se impôs no domínio da tecnologia da combustão híbrida para produzir energia elétrica e calor.

Na França e na Ilha Maurício, durante a safra canavieira, que dura de quatro a seis meses, as unidades operam em cogeração com bagaço como principal combustível. Durante a entressafra, elas operam em condensação como usinas térmicas convencionais, a partir do carvão. Sua utilização em combustão híbrida permite o fornecimento de uma energia competitiva durante o ano inteiro, sempre respeitando as normas europeias e francesas aplicáveis às emissões na atmosfera.

No Brasil, a duração da safra canavieira (nove a dez meses) e a quantidade de cana processada pelas usinas de açúcar permitem que as usinas de cogeração do Grupo operem a partir do bagaço o ano todo (aproximadamente 11 dos 12 meses, e o último mês fica reservado à manutenção anual).

Como parte do Plano Climático, a Albioma pretende substituir o carvão por novas formas de biomassa sustentável, além do bagaço. As centrais do Grupo já foram projetadas para funcionar a partir de combustíveis múltiplos, essa mudança de sua matriz energética poderá ser realizada com o auxílio de investimentos de menor monta que os mobilizados por certos produtores de energia europeus para a conversão de suas centrais 100 % carbono para a biomassa

As novas unidades do Grupo são projetadas para enfrentar os desafios da transição energética: Galion 2 na Martinica se tornou a primeira unidade 100% de bagaço/biomassa nos territórios ultramarinos franceses, e a turbina de combustão da Ilha da Reunião será a primeira unidade de bioetanol do mundo.

Números-chave
675
MW
3 465
GWh
120
kWh
91
%
Potência instalada acumulada das nossas centrais térmicas
Taxa de disponibilidade das nossas instalações térmicas em 2017
Energia elétrica exportada na rede a partir de uma tonelada de cana de açúcar
Produção de eletricidade no conjunto das nossas instalações térmicas em 2017 (excluindo o Brasil)
A nossa perícia única na combustão híbrida e na cogeração nos permite produzir o ano todo uma energia competitiva, em conformidade com as normas europeias aplicáveis às emissões na atmosfera.